Com a concorrência com produção de grãos, é preciso ter maior eficiência na criação de animais

pecuaria-precisaoNas lavouras, a agricultura de precisão é empregada por produtores gaúchos que buscam garantir bons resultados. Com o avanço da soja sobre os campos, especialistas afirmam que é preciso investir também na pecuária de precisão para garantir o espaço — e a qualidade — da atividade. A prática é entendida de diferentes maneiras e pode ajudar a garantir eficiência, com índices reprodutivos bem acima da baixa média estadual. Pastagens feitas com forrageiras de qualidade, adubadas, metas e prazos precisos, tudo dentro da integração das lavouras com a criação de gado. Essa é a pecuária de precisão, no entendimento de Gedeão Pereira, vice-presidente da Federação da Agricultura do Estado (Farsul).

Na propriedade dele, em Bagé, a área cultivada com soja aumentou 50% neste ciclo em relação ao período anterior. Esse “aperto” de área da pecuária exige ajustes, com o estabelecimento de prioridades.

— Nos últimos anos, a soja veio com tudo na nossa propriedade e eu nunca produzi tanto terneiro na vida — afirma o zootecnista Marcelo Xavier, sócio-proprietário da Agropecuária Sereno.

De administração familiar, a marca tem duas propriedades — uma em Santa Maria e outra em São Sepé. A soja, que começou a ser cultivada em cem hectares, hoje ocupa 1,2 mil hectares.

E com a ajuda do grão, que no inverno dá lugar à pastagem, Xavier reforçou a alimentação das vacas no momento mais necessário. O resultado foi um índice de 90% de prenhez.

— Montei um calendário rígido com metas a serem cumpridas — completa o zootecnista, sobre seu modelo de pecuária de precisão.

Professor do departamento de zootecnia da UFRGS, José Fernando Piva Lobato tem provocado discussão sobre a relação soja versus pecuária, por meio do fórum De Onde Virão os Terneiros?, promovido pela Farsul, que ocorre nesta terça-feira em Santa Maria.

— A pecuária de precisão é uma conjugação de fatores técnicos que levam ao aumento de produtividade — pondera Lobato, adiantando a discussão que será trazida ao evento pelo especialista uruguaio Fabio Montossi.

Fonte: Zero Hora