Técnicas adequadas aumentam índice de matéria orgânica no solo e diminuem liberação de gás carbônico

Nos últimos 30 anos, muitos produtores adotaram práticas conservacionistas, principalmente o sistema plantio direto (SPD). Esse sistema é uma das técnicas agrícolas sustentáveis do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC). A adoção de boas práticas de manejo do solo traz benefícios importantes, como o aumento da matéria orgânica, o que contribui para a menor liberação de gás carbônico para a atmosfera e o aumento da cobertura do solo, protegendo-o contra a erosão.

— Uma forma adequada de manejar o solo consiste em práticas agrícolas que visam à sua conservação, ou seja, sempre mantendo a perspectiva de produções elevadas na mesma área por muitos anos — afirma Rodrigo Garcia, pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste.

Segundo ele, o sistema de plantio direto se encaixa nesse conceito, já que um dos maiores benefícios é seu caráter conservacionista, evitando as perdas de solo por erosão, menor lixiviação de nutrientes e maior capacidade de armazenamento de água.

— Um sistema de plantio direto bem manejado e consolidado é dependente de algumas práticas agrícolas, como a ausência de revolvimento do solo, a manutenção de palha na superfície ao longo do ano e a alternância de espécies vegetais na área (rotação de culturas). Somente com a adoção dessas 3 técnicas agrícolas, esse sistema conservacionista se consolidará e trará maior rentabilidade ao agricultor — explica o pesquisador.

Para Garcia, uma boa rotação de culturas se baseia na alternância de espécies que apresentam características distintas. Desse modo, seriam usufruídos os pontos positivos de cada espécie vegetal. Por isso, a rotação entre gramíneas e leguminosas é a mais recomendada.

— De forma geral, as leguminosas apresentam maior capacidade de melhorar a fertilidade do solo e a gramíneas são mais aptas no crescimento de raízes e produção de palha. No entanto, devem ser levadas em consideração as características de cada área. Em caso de presença de nematóides, por exemplo, a inclusão da leguminosa crotalária seria mais indicada. No caso de elevada infestação da doença mofo-branco, a inclusão das gramíneas braquiárias e milheto seria a melhor alternativa — orienta.

Ainda de acordo com ele, a adoção de técnicas conservacionistas tende a melhorar os atributos físicos, químicos e biológicos do solo. Além do mais, um solo bem manejado tende a ter os teores de matéria orgânica elevados, o que é de fundamental importância para obtenção de produtividades elevadas em solos tropicais e altamente intemperizados.

— Nesse sentido, um sistema de produção bem conduzido, incluindo o manejo adequado do solo, tende a ser mais estável quanto às adversidades climáticas, além de apresentar menor infestação de pragas, doenças e plantas daninhas — conclui.

Para mais informações, basta entrar em contato com a InvestAgro através dos números (34) 3084-8446 e (34) 9147-9310 ou clique aqui e nos envie uma mensagem.

Fonte: Dia de Campo