Com dólar em alta, país perderá uma posição no ranking mundial

O dólar alto deve fazer o Brasil voltar uma casa no ranking das maiores economias do planeta. Cálculos da agência de classificação de risco Austin Rating, a partir de dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), apontam que o país pode cair da atual sexta posição no mundo para a sétima. É o efeito da valorização da moeda americana – que no ano já subiu mais de 6% – sobre o Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e produtos produzidos) do país. Pelo levantamento, o PIB perderia cerca de US$ 100 bilhões com a desvalorização do real, saindo de US$ 2,45 trilhões para US$ 2,34 trilhões.

As novas projeções não mexem com as primeiras cinco posições no ranking, ocupadas por Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França. O Brasil troca de lugar com o Reino Unido, que reassume a sexta posição com o dólar valorizado aqui. O retrato segue mais uma vez inalterado, com Itália, Rússia e Canadá fechando o quadro das dez maiores economias.

– É uma mudança que ocorre somente por causa do câmbio. Não é por causa de perda de fôlego ou freio no crescimento. É uma mudança que tende a ser momentânea e não traz dúvidas sobre, por exemplo, a capacidade de o país honrar seus pagamentos em dólar. O país volta para uma posição que já ocupava antes. Não se trata de uma alteração brusca – disse o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini.

O dólar num patamar mais elevado tornou o PIB brasileiro mais real, acrescentou José Eustáquio Vieira, economista do Ipea. Em sua avaliação, os números brasileiros eram “artificiais” em decorrência de um câmbio distorcido.

– O câmbio, sem dúvida, estava muito apreciado. Porém, se o câmbio passar dos R$ 2,10, o país deixa de ter uma taxa de câmbio competitiva para ter uma taxa que prejudica o crescimento econômico.

Professora do Instituto de Economia da Unicamp, Simone Deos diz não ver impacto significativo de um possível rebaixamento do Brasil no ranking dos maiores PIBs mundiais.

– Pode-se até argumentar que isso pode ter alguma influência sobre o comportamento dos agentes econômicos, tanto do governo quanto da iniciativa privada, mas em um momento de instabilidade, como o que o mundo vive, é apenas um efeito estatístico.

Para ela, os possíveis efeitos do câmbio depreciado – aumento dos valores em reais das exportações e redução das importações devido ao custo mais elevado – no PIB só devem aparecer quando a cotação se estabilizar.

– O que estamos vendo é um momento de grande volatilidade – afirma ela, acrescentando que estes efeitos dependeriam de outros fatores, como o nível de atividade da indústria e os preços das commodities .

Efeitos benéficos ainda estão por vir

Na avaliação de Fernando Montero, economista da Convenção Corretora, esse retrato é pouco representativo. Funciona mais, segundo ele, como um marketing político dos países.

– Em 1999, quando o Brasil acabava de sair do câmbio fixo e a Argentina ainda estava na conversibilidade, o PIB argentino ficou quase superior ao brasileiro.

Já o professor Fernando de Holanda, da Fundação Getulio Vargas, diz que comparar os PIBs dos países é uma metodologia inadequada.

– É possível tornar um país rico, apenas apreciando o câmbio. É um indicador inadequado.

Para Gilberto Braga, professor do Ibmec-RJ, os efeitos positivos da alta do dólar não estão sendo sentidos devido ao fraco desempenho da indústria. Já os aumentos dos preços de insumos importados poderão provocar pressão sobre a inflação.

– O Brasil está sofrendo os malefícios da alta do dólar sem desfrutar dos benefícios – avaliou o economista que projeta alta de 2,6% no PIB deste ano. – Os preços dos combustíveis, por exemplo, que afetam os custos de logística, estão sendo subsidiados pelo governo. É uma bomba-relógio que vai estourar.

O economista do Banco Fator, José Francisco Gonçalves, afirma que já trabalhava com dólar a R$ 1,90, portanto não precisou mudar suas previsões para o PIB – que, segundo ele, deverá crescer 2,7%. Gonçalves diz que os efeitos da alta são potencialmente positivos, mas dependem da evolução da economia chinesa e dos desdobramentos da situação na Europa.

Fonte: O Globo

Você acha que os investidores extrangeiros podem recuar ao investir no Brasil? Deixe seu comentário abaixo: