Duas notícias interessantes, uma positiva e outra negativa, foram discutidas no 11º Congresso Brasileiro do Agronegócio, concluído, ontem, em São Paulo

Duas notícias interessantes, uma positiva e outra negativa, foram discutidas no 11º Congresso Brasileiro do Agronegócio, concluído, ontem, em São Paulo. A boa: se não houver nenhum contratempo climático, o Brasil terá, em 2013, a maior safra de grãos de sua história. Só em milho e soja, chegará aos 160 milhões de toneladas de grãos. Os produtores brasileiros estão planejando plantar 28 milhões de hectares com soja e 8 milhões de hectares com milho. A ruim: em consequência do aumento das safras, o Brasil enfrentará, também, o maior desafio logístico de todos os tempos. Haverá grandes problemas para o escoamento da produção.

As informações são de André Pessoa, diretor da Agroconsult, empresa especializada em acompanhar o agronegócio, informando sobre as estatísticas do setor, e em prestar consultoria. Suas projeções foram apoiadas pelos representantes dos maiores investidores na agricultura brasileira, que ressaltaram que “a produção brasileira aumenta, e a logística diminui”.

A esperança está no “pacote” de investimentos no setor de transporte, que será anunciado pela presidente Dilma Rousseff, mas muitos não acreditam em sua eficácia no curto prazo. Um produtor do Paraná lembrou que navios estão esperando, em média, 45 dias para desembarcar fertilizantes no porto de Paranaguá. “Isso custa milhões de reais em taxas extras (demurrage) pagas aos navios parados e outros milhões em prejuízos para as indústrias e para os agricultores, que atrasam as lavouras”, acrescentou. E comentou: “O governo diz que não há apagão logístico, e isso o que é?”. O presidente da Associção Brasileira do Agronegócio, Luiz Carlos Corrêa Carvalho, ironizou: “Não há apagão de logística, a luz apagou.”

Fonte: Jornal do Comércio