Impulsionados pela boa demanda derivada da redução de juros e das perspectivas de cotações elevadas das commodities, os desembolsos de crédito rural para produtores da agricultura empresarial e familiar alcançaram R$ 45,1 bilhões no país

Impulsionados pela boa demanda derivada da redução de juros e das perspectivas de cotações elevadas das commodities, os desembolsos de crédito rural para produtores da agricultura empresarial e familiar alcançaram R$ 45,1 bilhões no país nos quatro primeiros meses desta safra 2012/13 (julho a outubro), 25,3% mais que no mesmo período do ciclo passado. Os dados foram divulgados ontem pelo Departamento de Economia Agrícola do Ministério da Agricultura.

O montante representa 33,8% dos R$ 115,2 bilhões disponíveis para o ciclo atual. No mesmo período do ano passado, o total emprestado representava 29% do valor anunciado para toda a safra. De acordo com o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Edilson Guimarães, a forte procura pelo crédito também reflete a procura dos produtores pela maior eficiência possível em tempos de preços elevados. Além disso, lembra, a prolongada estiagem na região Sul do país na safra 2011/12 pode ter contribuído para uma descapitalização dos agricultores de grãos da região.

 “A perspectiva positiva de preços está fazendo com que os agricultores busquem plantar mais e com mais tecnologia. Não é à toa que a área plantada com soja terá uma alta de mais de 1 milhão de hectares em relação à safra anterior”, disse Guimarães. Conforme a Conab, o plantio da oleaginosa ocupará uma área de 27,3 milhões de hectares na temporada 2012/13. E a previsão de colheita de grãos e fibras será de 181 milhões de toneladas em 52,2 milhões de hectares.

 Destaque do Banco do Brasil (BB) desde a safra passada, o Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) liberou R$ 936 milhões de julho a outubro deste ano, alta de 588% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram emprestados R$ 136 milhões. Ao todo, o programa que preza pela adoção de práticas agrícolas parceiras do meio ambiente, possui R$ 3,4 bilhões para serem repassados para a safra 2012/13.

 Em ritmo de alta, o Programa de Sustentação do Investimento (PSI-BK) para aquisição de máquinas agrícolas, equipamentos de irrigação e estruturas de armazenagem registrou desembolso de R$ 2,5 bilhões de julho a outubro deste ano, aumento de 23,2% em relação ao mesmo período de 2011. Apesar de já ter atingido 42,6% dos R$ 6 bilhões programados para a safra inteira, o Ministério da Agricultura prevê que nas próximas semanas o desembolso será ainda maior, já que desde o dia 1º de novembro a taxa de juros do PSI-BK foi reduzida de 5,5% para 2,5% ao ano até 31 de dezembro deste ano.

 Conforme o ministério, a linha de crédito BB Agroindustrial, do Banco do Brasil, destinada à comercialização, beneficiamento ou industrialização de produtos agropecuários adquiridos diretamente de produtores rurais, somou R$ 3 bilhões em desembolsos de julho a outubro deste ano. O valor significa uma alta de 154% frente aos R$ 1,2 bilhões registrados no mesmo período do ano passado. O desembolso realizado representa 45% dos R$ 7,2 bilhões programados para o atual ciclo.

Fonte: Valor Online