Os números do primeiro trimestre deste ano apontam para um recuo de 28% em relação ao mesmo período de 2013

A Instrução Normativa nº 21, do Ibama, tornou mais complexa a comercialização de produtos madeireiros
A Instrução Normativa nº 21, do Ibama, tornou mais complexa a comercialização de produtos madeireiros

As exportações dos produtos madeireiros originários de Mato Grosso recuaram no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. A manutenção do câmbio favorável às exportações a partir do segundo semestre de 2013 não foi suficiente para elevar a receita comercial relativa aos embarques de produtos florestais em 2014.

De janeiro a março deste ano, foram embarcadas 20,048 mil toneladas de produtos madeireiros, proporcionando um recuo de 28% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o volume exportado atingiu 27,851 mil toneladas.

Por consequência, a receita comercial também apresentou variação negativa de 6,13% e somou US$ 20,905 milhões no primeiro trimestre de 2014, ante US$ 22,270 milhões em 2013.

Entre os fatores que contribuíram para a baixa nas exportações cabe citar algumas barreiras criadas com a implantação da IN 21 do Ibama, que tornou mais complexa a comercialização dos produtos, comenta a superintendente de Desenvolvimento Sustentável do Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira (Cipem), Sílvia Fernandes.

“Como alguns produtos beneficiados e não descritos na IN 21 são de costumeira produção do setor florestal, acaba ocorrendo a retenção de contêineres nos portos prejudicando as exportações com o Mercosul e outros mercados”, completa Sílvia Fernandes.

Fonte: Painel Florestal