De janeiro a maio, choveu 40% menos que o registrado em 2013

De janeiro a maio, choveu cerca de 390 milímetros na região, 40% a menos do que o registrado no mesmo período de 2013.
De janeiro a maio, choveu cerca de 390 milímetros na região, 40% a menos do que o registrado no mesmo período de 2013.

A falta de chuva do começo do ano está mexendo com a produção de borracha, em São Paulo. A safra deve terminar antes do previsto e em muitas propriedades houve queda na quantidade de látex extraído dos seringais.

A estiagem diminuiu a quantidade de látex extraído. Em 2013, cada árvore produzia em média oito quilos de coágulo, enquanto hoje esse número não passa de sete. De janeiro a maio, choveu cerca de 390 milímetros na região, 40% a menos do que o registrado no mesmo período de 2013.

A falta de chuva influenciou também no desfolhamento das árvores. Geralmente as folhas da seringueira começam a cair em julho, um mês antes do fim da safra, mas este ano, por causa da estiagem, o processo foi antecipado. Quanto menos verde a planta está, menor é a quantidade de látex durante a sangria.

São Paulo responde por 55% da safra de borracha brasileira. A Associação dos Produtores de Borracha do Noroeste Paulista está negociando o quilo do coágulo por R$1,86, valor quase 25% menor do que em junho do ano passado. Os preços são ditados pelo mercado internacional e vêm caindo a cada ano, reflexo do aumento de oferta em países como Vietnã, Malásia e Indonésia, grandes produtores mundiais.

Entre 1990 e 1996, os agricultores brasileiros tiveram até que receber subsídio do governo por causa dos preços. O presidente da Associação, Osvaldo Rodolfo, vê uma situação parecida agora e cobra medidas de auxílio.

Fonte: Painel Florestal