Pequenos agricultores encontraram uma forma de ganhar dinheiro.
Eles plantam para compensar danos ambientais causados por poluição.

Em uma área que estava abandonada, agora crescem mudas de eucalipto de árvores nativas, entre elas o ipê, no reflorestamento comunitário do assentamento Antônio Tavares, em Querência do Norte. O projeto é parceria entre as famílias dos agricultores, o Instituto Ambiental do Paraná e o Programa Paraná Biodiversidade.

Há três anos eles criaram uma cooperativa com o objetivo de negociar os créditos de carbono. “Podemos recuperar a área e depois fazer a exploração da madeira, através da venda do eucalipto, e do crédito de carbono”, explica Salete Schwertz, presidente da cooperativa.

O projeto também permite que o agricultor faça o plantio das árvores consorciado com culturas de retorno mais rápido, como a mandioca.

 

Fonte: Globo Rural