Objetivo é garantir a integridade das florestas e demais formas de vegetação, enfrentando o fogo não autorizado ou fora de controle.

Ações implantadas tiveram impactos positivos na redução das ocorrências.
Ações implantadas tiveram impactos positivos na redução das ocorrências.

Números da Operação Corta Fogo mostram que as ações implantadas tiveram impactos positivos na redução das ocorrências de queimadas e incêndios florestais. Segundo a Secretaria do Meio Ambiente, no período compreendido entre 2010 e 2014, o registro de incidentes passou de 5.194 para 4.717. Além disso, entre 2013 e 2014 foram treinados 4.832 brigadistas.

A Operação Corta Fogo faz parte do Sistema Estadual de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais no Estado. Foi criada em 2010 pelo Governo de São Paulo em atenção às ocorrências de incêndios, séria ameaça à biodiversidade e um dos principais problemas de degradação ambiental das unidades de conservação e do aumento da poluição do ar.

Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Ambiental, Cetesb, Fundação Florestal e Instituto Florestal integram o Comitê Executivo, responsável por elaborar as estratégias e ações dos quatro programas da operação: prevenção, controle, monitoramento e combate.

Ações práticas

O programa tem o objetivo de acompanhar diariamente os focos de incêndios e queimadas, bem como as condições climáticas que favoreçam o aumento do risco do fogo; emitir alertas e fornecer subsídios aos órgãos participantes da Operação Corta Fogo.

Para tanto, existem algumas ações práticas. São elas: campanhas em rodovias, para alertar os motoristas sobre os riscos de causarem incêndios às margens das pistas (pontas de cigarro e fogueiras, por exemplo), fiscalização de queimadas e incêndios florestais detectados por satélite, trabalho feito pela Polícia Militar Ambiental.

Fonte: O Serrano