Além disso, foram aplicadas multas, que, somadas, ultrapassam R$ 100 mil.

Policiais fiscalizam caminhão que transporta madeira em Rio Preto.
Policiais fiscalizam caminhão que transporta madeira em Rio Preto.

As estradas do noroeste paulista são a porta de entrada de carretas carregadas com madeira ilegal extraída da Amazônia e, por causa disso, a Polícia Ambiental fez uma operação para combater o crime na região de São José do Rio Preto (SP).

Quando a operação começou mais de 180 metros cúbicos de madeira, que equivalem a seis carretas, foram apreendidas. Além disso, foram aplicadas multas, que somadas, ultrapassam R$ 100 mil. Além de perder a mercadoria, os responsáveis pelo transporte ilegal respondem por crime ambiental.

A fiscalização foi feita na estrada e os policiais aproveitaram a parada obrigatória dos caminhões na balança e verificaram as cargas de madeira. Em uma delas, depois de medir a carga, os policiais descobriram que madeira fora das medidas registradas era carregada. “Neste caminhão dá para perceber que o corte irregular foi colocado debaixo da carga, para enganar a fiscalização, por isso vamos ter de tirar toda a carga para tirar a madeira irregular”, afirma o tenente Emerson Mioransi.

Além da carga os policiais verificaram o ‘DOF’, o documento de origem florestal que registra a origem e autoriza o transporte da madeira. Os dados que constam no documento precisam ser os mesmos da carga. “De 30 a 35% dos caminhões abordados na fiscalização estão com irregularidades”, diz o tenente.

O motorista de um caminhão que seguia para São Paulo apresentou a autorização falsificada. Segundo os policiais, o documento que é do estado do Mato Grosso estava com informações equivocadas. O motorista diz que desconhecia a origem da autorização. “Não entendo de documentação, meu serviço é só dirigir o caminhão”, diz o motorista Cléber Dias dos Santos.

Uma amostra da madeira também é retirada e analisada em um microscópio. As fotos do material são encaminhadas para o Instituto Florestal de São Paulo para que especialistas definam a espécie.

Segundo a polícia, a maior parte da madeira que é apreendida nas fiscalizações vem do desmatamento. São Paulo é o estado considerado principal consumidor desse tipo de madeira irregular que é extraída da Amazônia. “Desmatamento tem continuado e São Paulo vai coibir esse crime com a fiscalização”, diz o coronel da Polícia Ambiental Douglas Vieira Machado.

Fonte: G1