Objetivo é ser referência no País para a comercialização de ativos ambientais

O Rio de Janeiro terá, a partir de abril de 2012, a primeira Bolsa Verde do Brasil, um mercado específico para negociar ativos ambientais no Estado. O acordo de cooperação, assinado recentemente pelas secretarias de Estado do Ambiente (SEA) e Municipal da Fazenda, além da associação sem fins lucrativos BVRio, prevê o desenvolvimento da Economia Verde na região e constitui uma iniciativa que servirá de exemplo para demais municípios e Estados brasileiros.

O objetivo da Bolsa Verde é implantar uma plataforma de negociação destinada a se tornar referência no País para a comercialização de ativos ambientais. Esses ativos vão abranger os bens existentes, como energia renovável ou biomassa, mas também os direitos de natureza regulatória relacionados ao cumprimento de obrigações ambientais, como recuperação de áreas florestais, tratamento de resíduos, entre outras ações.

Segundo a SEA, inicialmente, a BVRio concentrará suas atividades no desenvolvimento de ativos como créditos de carbono; créditos de efluentes industriais da Baía da Guanabara; créditos de reposição florestal relativos à Reserva Legal; créditos de reposição de supressão de vegetação; créditos de logística reversa; e reciclagem.

De acordo com a secretária Municipal de Fazenda, Eduarda La Rocque, a ação garantirá benefícios para o meio ambiente e para a economia carioca em geral. A secretaria entrará no processo para agregar valores. “O Rio tem tudo para ser a capital verde do mundo. Essa parceria será de muito sucesso, pois seremos referência internacional econômica e ambiental”, diz.

Revitalização

A secretária destaca que a Bolsa Verde é fruto do trabalho de revitalização do mercado financeiro do Rio, que a Secretaria vem implementando há três anos. Esse projeto, segundo ela, ganhou fôlego em 2010, com a criação do Grupo Financeiro Carioca. Ela enumera, ainda, como conquistas desse trabalho a vinda da Direct Edge, terceira bolsa de valores dos Estados Unidos, e a realização do Rio Investors Day (RID), conferência que reuniu na cidade presidentes de empresas, autoridades públicas e grandes investidores do País e do mundo, em maio de 2011.

A subsecretária de Economia Verde da Secretaria de Estado do Ambiente, Suzana Kahn, afirma que a iniciativa coloca o Rio de Janeiro na vanguarda da economia ambiental. “Temos como um dos objetivos da Subsecretaria de Economia Verde a criação de novos mecanismos de mercado que deem celeridade ao alcance de políticas ambientais e aproximem o mercado financeiro dessa nova economia”, explica.

A BVRio terá, em sua estrutura, o envolvimento de diversos setores da sociedade. Com três categorias de associados, contará com representantes do setor empresarial, de ONGs e acadêmico, além de cidadãos que se destaquem pelo seu envolvimento na promoção do desenvolvimento econômico sustentável do Rio de Janeiro. O Conselho Deliberativo contará com representantes das três esferas de governo.

Fazem parte do Conselho a Secretaria do Estado de Ambiente, a Secretaria Municipal de Fazenda, o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), a Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável (FBDS), o Conselho Empresarial Brasileiro para Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), a E2 Sócio Ambiental, o economista Sergio Besserman e o empresário Pedro Moura Costa, presidente da BVRio. “Essa cooperação será fundamental para a realização deste projeto inovador. Estamos animados com o envolvimento do Estado e Prefeitura, por meio dos convênios de cooperação e pela participação efetiva de seus representantes no Conselho Deliberativo da BVRio”, conclui Pedro Moura Costa.

Distrito Verde

A Bolsa Verde será incluída no projeto do governo do Estado chamado Distrito Verde, que pretende reunir empresas de tecnologia e infraestrutura verde em terrenos na Ilha de Bom Jesus, Ilha do Fundão. “A bolsa de ativos verdes comercializará créditos de carbono, de reposição florestal. E, com isso, empresas serão obrigadas a refazer a floresta, e outras que têm áreas reflorestadas poderão vender seus créditos”, explicou o secretário de Estado do Ambiente, Carlos Minc. “Na verdade, você introduzirá um elemento de mercado que valoriza as empresas que conseguem cumprir além das metas de redução ou de reflorestamento”, completa.

Fonte: Diário do Nordeste