Oportunidades e investimentos foram apresentados durante a Semana de Engenharia Florestal da Bahia, em Vitória da Conquista

Wilson Andrade durante palestra da IV Seeflor
Wilson Andrade durante palestra da IV Seeflor

O diretor executivo da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (Abaf), Wilson Andrade, proferiu, no último dia 2, a palestra “Contexto das Florestas Plantadas no Brasil” na abertura do IV Seeflor – Semana de Engenharia Florestal da Bahia, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Em sua palestra, Andrade apresentou dados – nacionais e da Bahia – do setor florestal, demonstrando ser este o setor que tem mais chances de crescimento para os próximos 10 anos. Além disso, o diretor da Abaf reforçou o Programa Mais Árvores Bahia que tem por objetivo a inclusão dos pequenos e médios produtores e processadores de madeira para uso múltiplo, visando o atendimento da demanda por móveis, peças e partes de madeira da Bahia – hoje atendida, na sua maior parte, por outros estados brasileiros.

“Em contato com empresários e produtores florestais locais, Wilson Andrade sugeriu alguns projetos que se mostram bastante interessantes em outros locais, como a instalação de uma fábrica de pellets (madeira condensada para substituição da lenha no consumo industrial e doméstico), uma usina de energia biomassa e uma central de tratamento de madeira plantada para atender a demanda local – já existente – para cercas, currais e construção civil. Porém, enquanto essas empresas não se instalam na cidade, existe a possibilidade de exportar a madeira plantada na região através do Porto de Ilhéus. Além disso, temos o Programa Mais Árvores Bahia, que vem sendo implantado na região e que pretende contribuir para a expansão e maior profissionalismo do setor madeireiro na região de Vitória da Conquista, pois acreditamos ser um dos quatro polos madeireiros do Estado, explicou Andrade.

Para Wagner Correia, da Associação dos Silvicultores do Sudoeste da Bahia (Assosil), este evento é importante para o produtor de madeira do Sudoeste da Bahia porque é o momento de ratificar a tecnologia usada ou corrigir rumos da atividade. “Também é o momento de discutir a silvicultura na região de levá-la pra um nível maior. A Assosil espera uma maior procura de produtores interessados na atividade com o Programa Mais Árvores Bahia que, além de fomentar, apoia o produtor local”, completa.

“É muito gratificante para nós, da academia, podermos estreitar as relações com as empresas do setor, injetando energia e inspiração em nossos estudantes para serem, no futuro, profissionais cada vez mais qualificados e comprometidos com as causas ambientais, sociais e produtivas. A presença do diretor da Abaf contribuiu para mostrar a importância e a responsabilidade que o engenheiro florestal tem com o futuro do setor florestal brasileiro”, declarou Dalton Longue Júnior, professor coordenador do curso de Engenharia Florestal da Uesb.

A novidade deste ano do Seeflor foi a comemoração dos 10 anos do curso de Engenharia Florestal na Uesb e a realização da I Mostra de Pós-Graduação em Ciências Florestais, que contou com a participação pela primeira vez dos estudantes de mestrado em Ciência Florestal. O evento, que teve como tema central “Perspectivas das Florestas Plantadas Brasileiras”, foi realizado pela Uesb, através do Centro Acadêmico de Engenharia Florestal e Pós-graduação em Ciências Florestais, no período de 2 a 4 de março de 2016, em Vitória da Conquista (BA).

Programa – O Programa Mais Árvores Bahia é uma iniciativa da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (Abaf), em parceria com uma série de entidades ligadas à agricultura, indústria e à qualificação de mão de obra. Busca incentivar o produtor rural a investir no plantio e manejo de florestas para uso múltiplo com tecnologia aplicada. Prevê a implantação de duas vertentes de atuação, um chamado Projeto Indústria e outro Projeto Produção, em quatro polos na Bahia – Litoral Norte, Sul, Sudoeste e Oeste.

O Projeto Indústria tem o objetivo de aumentar a competitividade dos micro e pequenos produtores e processadores de madeira (serrarias e marcenarias), primeiramente no Sul e Extremo Sul da Bahia – onde já existe uma tendência natural para este segmento. Sob a coordenação do Sebrae, Moveba/Fieb, Senai, ABAF e parceiros locais.

Já o Projeto Produção (liderado pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia/Faeb e pela CNA) prevê o desenvolvimento local do ‘Programa Mais Árvores’, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil/CNA, na Bahia. Esta ação visa informar e orientar pequenos e médios produtores para produção de madeira para uso múltiplo, notadamente serrarias e movelarias regionais.

Ambos contam com a coordenação local das entidades regionais que agregam os produtores de eucalipto: Aspex (Associação dos Produtores de Eucalipto do Extremo Sul Bahia), Assosil (Associação dos Silvicultores do Sudoeste da Bahia), Sineflor (Sindicato das Empresas Florestais da Bahia que atua no Litoral Norte), e Aiba (Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia, no Oeste).

A Abaf e o setor de base florestal

A indústria de base florestal usa a madeira como matéria-prima, com destaque para a produção de celulose, celulose solúvel, papel, ferro liga, madeira tratada, carvão vegetal e lenha para o processamento de grãos. A madeira utilizada é plantada e é considerada uma matéria-prima renovável, reciclável e amigável ao meio ambiente, à biodiversidade e à vida humana.

A Abaf representa as empresas de base florestal do estado, assim como os seus fornecedores. Atualmente, a Abaf tem como associados: AEPSES, Aspex, Assosil, Bahia Produtos de Madeira, BSC, Caravelas Florestas, Copener, Emflors, Ferbasa, Fibria, Floryl, Julio Simões, Komatsu, Lyptus, Papaiz, Plantar, Ponsse, Sineflor, Stora Enso, Suzano e Veracel. A ABAF tem como meta primeira contribuir para que o setor que representa se desenvolva sobre bases sustentáveis, seja do ponto de vista econômico, ambiental ou social.

Fonte: ABAF