A estratégia será mostrada no 1° Workshop do Sudoeste Goiano, que vai acontecer no dia 17 de outubro na cidade de Mineiros, no interior do Estado de Goiás

Floresta de eucalipto em Mineiros, no Estado de Goiás
Floresta de eucalipto em Mineiros, no Estado de Goiás

Abrir novas fronteiras para a silvicultura. Este é o objetivo do 1° Workshop Florestal do Sudoeste Goiano, que vai acontecer no dia 17 de outubro na cidade de Mineiros, no interior do Estado de Goiás.

Idealizado por Marcelo de Souza e Sabine Lanzer, ambos com larga experiência no setor florestal, o evento é fruto de uma profunda pesquisa sobre o grande potencial que a região oferece por ter demanda de madeira para energia, além de mais de 200 mil hectares de pastagens degradadas aptas para a silvicultura e escoamento da produção para três Estados que fazem divisa com o município: Mato Grosso, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Além do consumo para energia de grandes empresas instaladas na cidade e num raio de 200 quilômetros, o município é servido por rodovias como a BR-364, a GO-194, a GO-306, a GO-050 e a GO-341. Está situado próximo ao porto seco (ferrovia) do Alto Araguaia-MT (92,6 km) e do porto fluvial (hidrovia) de São Simão-GO (270 km).

De acordo com dados do Ministério dos Transportes, o município de Mineiros será contemplado, ao longo de seu território, pela passagem da ferrovia Ferronorte, que ligará Porto Velho à Estrela do Oeste, em São Paulo, passando por Alto Araguaia-MT, Mineiros, Jataí, Rio Verde e São Simão em Goiás.

Outra característica importante que favorece a silvicultura é a sua localização geográfica, por contemplar as maiores altitudes goianas, com variação de 700 a 1100m. No município brotam mais de 2.000 nascentes d´água, algumas subterrâneas, como o aquífero Guarani, formando vários rios, dentre eles o Rio Araguaia, Rio Verde, Formoso e Jacuba, abastecendo duas grandes bacias hidrográficas do Brasil – a bacia do Araguaia-Tocantins e Bacia do Paranaíba. Mineiros abriga, em suas terras, o Parque Nacional das Emas, considerado como patrimônio natural da humanidade.

A precipitação média anual varia de 1200mm à 1800mm. O período chuvoso é de novembro a março, com maior concentração das chuvas no período de janeiro a março.

Como se as características físicas não bastassem, Mineiros apresenta boa oferta de mão de obra e conhecimento científico com a presença da Universidade Federal de Goiás (UFG), situada na cidade de Jataí; a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Chapadão do Sul; o Centro Universitário de Mineiros e a Universidade Estadual de Goiás, em Ipameri.

O eucalipto em Goiás

O governo de Goiás estima que haja 55 mil hectares de florestas comerciais em todo o Estado, sendo 39 mil de eucalipto e 16 mil de outras espécies. Na região de Mineiros, a área de plantio de eucalipto aproxima-se dos 7.000 hectares, sendo muitos deles fora da qualidade mínima exigida a cultura. “Por isso, a necessidade de realizarmos este workshop, para demonstrar aos produtores como se produz uma floresta de eucalipto de alta produtividade e o que pode melhorar no rendimento de suas propriedades, além de mostrar, ao poder público, os benefícios de uma cultura rentável como a do eucalipto. Temos o exemplo de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul, para seguir. Por isso convidamos a prefeita Márcia Moura para ser uma das palestrantes e contar a história de sucesso do seu município. Mineiros se candidata a ser um novo polo florestal, se posicionando como possível rota de investimentos para o setor”, salienta Marcelo de Souza.

Governo está incentivando o plantio de florestas

A Câmara Setorial de Produtos de Base Florestal do Estado de Goiás (Câmara Florestal) e o governo do Estado assinaram um protocolo de intenções para a implementação do Programa Goiás Florestal Competitivo.

O Programa propõe ações de fomento ao setor envolvendo sete secretarias. As propostas vão desde a oferta de linhas especiais de crédito até programas de qualificação de mão de obra, passando também por ações de fiscalização de uso de madeira ilegal. O objetivo do protocolo é fomentar o setor com políticas de apoio aos empreendimentos nos âmbitos rural, industrial e comercial. “Goiás participa hoje com menos de 1% das florestas plantadas no Brasil. Temos um potencial imenso. Esta é uma atividade econômica que pode gerar empregos e mais valor aos nossos produtos”, ressaltou o secretário de Gestão e Planejamento, Leonardo Vilela.

Segundo o secretário, os produtos de base florestal em Goiás têm grande importância econômica e social, mas carecem de políticas de apoio que possam dinamizar seu desempenho e incrementar sua competitividade em nível nacional. “Esse programa se insere nas políticas de incentivo aos setores produtivos em Goiás, que vem impulsionando o crescimento do Estado acima da média nacional há mais de 10 anos. As atividades de base florestal empregam muita gente. É importante para muitos dos nossos municípios e, portanto, merecem toda a nossa atenção”, comentou o secretário Vilela.

Dentre os principais produtos de base florestal estão a madeira para construção urbana e rural, madeira para fabricação de móveis, madeira como insumo na geração de energia, artefatos de madeira com aplicação variada e a borracha natural. Segundo o presidente da Câmara Setorial de Produtos de Base Florestal de Goiás, Ricardo Cantaclaro, apesar de a demanda estar aquecida no País nos últimos anos, Goiás foi o Estado que mais reduziu área de floresta plantada em 2012 (queda de 29% sobre 2011). O Estado possui atualmente 54,5 mil hectares de florestas plantadas, o que representa menos de 1% dos 6,6 milhões de hectares de eucalipto do País.

Entre as entidades representantes dos setores produtivos que compõem a Câmara Florestal em Goiás estão a Associação Goiana de Silvicultura (GoiasFloresta), Sindicato das Indústrias de Móveis e Artefatos de Madeira, Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins (Aprob GO/TO), Sindicato do Comércio de Materiais de Construção do Estado de Goiás, Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura (SGPA), Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Goiás (Faeg), e Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg). Todas se farão representar no workshop em Mineiros dia 17 de outubro.

Fonte: Painel Florestal