O tamanho do seu plantio, não muda o tamanho da nossa dedicação.
34 9.9147-9310
Seg - Sex: 08:00 - 18:00
25 ago 2015

Incêndio atinge propriedade usada pelo Exército em Uberlândia

Cerca de 700 hectares da Fazenda Tatu foram queimados.

Militares monitoraram a fazenda para um possível retorno do fogo.
Militares monitoraram a fazenda para um possível retorno do fogo.

Um incêndio florestal atingiu parte da Fazenda Tatu em Uberlândia. A propriedade, de aproximadamente 350 hectares, é utilizada pelo Exército para treinamentos. Um militar que faz a segurança no local acionou o Exército após o início do incêndio. O fogo foi controlado às 5h desta segunda-feira (24).

Equipes do batalhão foram chamadas e o Corpo de Bombeiros também foi acionado para conter as chamas. De acordo com os Bombeiros, foram identificados três focos do incêndio: dois na Fazenda Tatu e um na Fazenda Brasil, vizinha da propriedade.

Ainda não se sabe a causa do incêndio. Militares monitoraram a fazenda para um possível retorno do fogo. Já os proprietários da Fazenda Brasil foram orientados para que fiquem atentos à área queimada.

Fonte: G1

31 mar 2015

Incêndio arrasa 4.400 hectares de florestas no sul da Argentina

Incidente acontece poucas semanas após um dos piores episódios da mesma natureza ocorrido na Patagônia argentina

Mais de 150 brigadistas trabalham para conter o foco principal.
Mais de 150 brigadistas trabalham para conter o foco principal.

O incêndio na região de cordilheira da província argentina de Chubut (sul) já arrasou 4.400 hectares de floresta nativa e mantém dez famílias fora de casa, informou o diretor de Defesa Civil provincial, Evaristo Melo, em comunicado.

Mais de 150 brigadistas trabalham para conter o foco principal, nas proximidades da cidade de El Hoyo, e se viram beneficiados nas últimas horas pela melhora das condições meteorológicas.

“A temperatura na zona teve uma notória diminuição e durante a noite a umidade permitiu que o fogo que afeta à região de El Hoyo não se propagasse a grande velocidade”, disse Melo.

De acordo com o diretor, as chamas, que começaram há dez dias, queimaram três casas e um depósito de forragens e lenha.

O outro grande foco, que afetou o Parque Nacional Los Alerces, uma área protegida, está parcialmente controlado e a previsão é de que hoje “se possa declarar controlado em todo o seu perímetro”, acrescentou Melo.

O fogo acontece poucas semanas após um dos piores incêndios na Patagônia argentina, que se originou nas proximidades da cidade de Cholila, também na província de Chubut, e que arrasou 35 mil hectares de floresta.

Fonte: Terra

31 mar 2015

Dispositivo financiado pelo governo para combate a incêndios será igual ao de 2014

No ano passado, foram disponibilizados 85 milhões de euros para essa iniciativa

Em 2014 foram consumidas pelas chamas cerca de 20 mil hectares.
Em 2014 foram consumidas pelas chamas cerca de 20 mil hectares.

O Governo anunciou o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF). O dispositivo será semelhante ao que foi disponibilizado no ano passado.

No ano passado, o dispositivo contou com 2.200 equipas, mais de 9.600 elementos, dois veículos e 49 meios aéreos. O orçamento para o dispositivo foi de 85 milhões de euros

A notícia é recebida com desagrado pela Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), que defendia um reforço de efetivos e uma aprovação do estatuto do bombeiro profissional.

“Este dispositivo, para poder ter uma base de funcionamento sólida, tem de assentar nas estruturas de bombeiros profissionais de todo o pais e, para isso, é necessário que o estatuto de bombeiro profissional seja aprovado para haver reforço de efectivos”, diz o presidente da ANBP.

Sérgio Carvalho critica também o valor do pagamento aos bombeiros que integram o DECIF, 45 euros por 24 horas de serviço, e pede, acima de tudo, uma boa articulação dos meios.

“Que todas as forças que vão intervir estejam bem articuladas, seja bem definido a questão do comando das operações e da intervenção das várias forças”, são os outros desejos formulados por Sérgio Carvalho.

O ano passado foi o melhor das últimas três décadas em termos de área ardida. Em 2014 foram consumidas pelas chamas cerca de 20 mil hectares.

26 jan 2015

Brasil pode terminar janeiro com recorde de focos de incêndio em matas e florestas

Até terça passada, foram registrados 3.208 focos.

incendiosEm 2005, foram 4.047 incêndios no mês inteiro, número que deve ser superado este ano se a média de novos focos se mantiver até o dia 31: 160 novos casos por dia.

O número de queimadas registradas no país em janeiro pode ser o maior para o mês desde 2005, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Até esta terça-feira, dia 20, foram registrados 3.208 focos. Em 2005, foram 4.047 incêndios no mês inteiro. O número deve ser superado este ano se a média de novos focos se mantiver até o dia 31: 160 novos casos por dia. O chefe substituto do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais do Ibama, Gabriel Zacarias, afirma que pesquisas apontam o homem como principal responsável pelas queimadas em matas e florestas.

Mato Grosso, Pará e Maranhão são os três estados com o maior número de queimadas neste início de ano, segundo o Inpe. O Rio de Janeiro aparece na décima sexta colocação, com 70 casos. No entanto, o número representa um recorde para o mês de janeiro no estado. Superou os 35 registros de 2014. O diretor-geral da Defesa Civil Estadual, coronel Paulo Renato Vaz, ressaltou que diante do crescente número de focos de incêndio o órgão adotou novas medidas para que o monitoramento seja mais eficaz.

“O que nos estamos assistindo é período de grande estiagem quando deveria ser de grande precipitação pluviométrica. Sensível a isso, a secretaria determinou, no dia 13 de janeiro, que nós montássemos o Centro Integrado de Comando e Controle Regional para poder monitorar inúmeros casos de incêndio florestal e oferecer um combate com mais efetivo”.

Na capital fluminense, os parques e os gramados estão deteriorados pela ação do sol. De acordo com a Fundação Parques e Jardins do Rio de Janeiro, devido à estiagem, o município tem encontrado dificuldades para preservar as mudas plantadas na cidade e conservar a vegetação de grandes parques, como a Quinta da Boa Vista e o Campo de Santana, que ficaram prejudicados.

Fonte: CBN

29 out 2014

Empresas florestais se preparam para racionamento e combate a incêndios

Torres foram construídas em pontos estratégicos de onde é possível avistar longas distâncias e a 40 metros de altura

Na torre, o foco de incêndio é logo avistado e o trabalho de conter o fogo é iniciado mais rápido
Na torre, o foco de incêndio é logo avistado e o trabalho de conter o fogo é iniciado mais rápido

A estiagem prolongada que obrigou diversas cidades a adotar o racionamento de água também fez o número de focos de incêndio praticamente dobrar no Estado de São Paulo, em relação ao mesmo período do ano passado, nas propriedades rurais do interior. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), desde o início do ano, 4.529 focos de queimada foram registrados. Em 2013, foram 2.055.

Só em outubro, até agora, houve 812 incêndios em florestas, matas e lavouras, uma média de 36 por dia. Para tentar evitar os incêndios e diminuir os prejuízos, as empresas de papel e celulose de Paulistânia, no interior do Estado, investem em novo profissional: o fiscal do fogo. Do alto de torres eles ficam atentos a qualquer indício de fumaça.

As torres foram construídas em pontos estratégicos de onde é possível avistar longas distâncias e a 40 metros de altura, as lavouras são vigiadas o tempo todo. Por terra, engenheiros florestais e técnicos percorrem as fazendas vizinhas para pedir ajuda aos agricultores no combate às queimadas quando necessário.

Francisco Leriano é um dos fiscais do fogo e a indústria de celulose onde ele trabalha tem mais de 50 mil hectares de eucaliptos plantados. Com um binóculo, ele passa o dia todo na floresta e já ajudou a descobrir 100 focos de incêndio. “Essa seca está castigando bastante as lavouras e os focos de incêndio aumentaram de três a cinco por dia. Fica mais fácil de ver as chamas de cima”, explica o fiscal.

Funcionário carbonizado

Em Borebi, na região de Bauru, o funcionário de uma indústria de papel morreu carbonizado no início da semana ao tentar apagar o fogo que consumiu 300 hectares de eucalipto. Além dele, outro trabalhador ficou ferido.

Além dos trabalhadores, em uma associação protetora de animais silvestres em Assis, pelos menos 150 animais foram resgatados nos últimos meses por conta dos incêndios. “Os animais chegam aqui em um estágio de difícil recuperação, com queimaduras graves acompanhado de mutilação de patas ou cascos. São ferimentos difíceis de tratar e que ainda causam graves sequelas”, diz o biólogo Aguinaldo Marinho.

Fonte: G1

toc dep | giam can nhanh