O tamanho do seu plantio, não muda o tamanho da nossa dedicação.
34 9.9147-9310
Seg - Sex: 08:00 - 18:00
06 dez 2011

Exportação mensal do agronegócio mineiro quebra a barreira de US$ 1 bi

Pela primeira vez as exportações do agronegócio mineiro superam a receita mensal de US$ 1 bilhão. De acordo com oMinistério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o valor alcançado em novembro de 2011 foi um pouco superior a essa marca, registrando um aumento de 32,90% em relação ao resultado do décimo primeiro mês do ano passado. A receita obtida com a comercialização internacional dos produtos agrícolas e pecuários, no mês, representou 26,5% do resultado das exportações totais do Estado.

De acordo com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa), em novembro de 2011, o café respondeu por 61,7% da cifra total das vendas externas de produtos agrícolas e pecuários de Minas. Segundo o secretário Elmiro Nascimento, a cotação do produto, que alcançou no mês U$ 5,1 mil a tonelada, teve uma progressão de 48,86% em relação ao mesmo período do ano passado.

O secretário observa também que houve crescimento expressivo nas exportações de açúcar, que alcançaram US$ 174,8 milhões, cifra 88,8% superior à registrada em novembro de 2010, Neste caso destaca-se também o incremento do preço médio, que alcançou US$ 568,8 dólares por tonelada, crescimento de 28,47%. Além disso, a soja em grão teve uma variação expressiva no percentual de crescimento (858,9%), pois alcançou a receita de US$ 20,1 milhões.

Nascimento ainda aponta, entre os dados de novembro de 2011, os resultados obtidos pelo grupo de carnes, destacando a bovina. Neste segmento, a receita foi de US$ 23,5 milhões, superior em 73,4% à registrada no décimo primeiro mês de 2010. Já a carne de frango, com receita de US$ 36,0 milhões, teve progressão de 20,3%. E a carne suína, com a receita de US$ 11,7 milhões, avançou 53,8% sobre novembro do ano passado.

VALORES ACUMULADOS

Os dados de janeiro a novembro mostram que as exportações do agronegócio mineiro alcançaram US$ 8,9 bilhões, um crescimento de 29,5% em relação ao mesmo período de 2010. “Nesta avaliação, foi de 23,4% a participação dos produtos da agricultura e da pecuária nas vendas internacionais de todos os setores da economia estadual”, explica o secretário.

Ele acrescenta que os resultados dos onze meses já superam os registrados em todo o ano de 2010, que foram de US$ 7,6 bilhões. “A expectativa é de fecharmos o ano com uma receita de exportações do agronegócio mineiro da ordem de US$ 9,5 bilhões, cifra que supera em 25,0% a do ano passado.”

Na comparação do período acumulado deste ano com o de 2010, o café apresenta uma receita de US$ 5,2 bilhões, ou 13,8% das exportações totais de Minas. O açúcar também apresenta bom desempenho na análise dos onze meses. Receita de US$ 1,2 bilhão, ou 30,3% mais que o valor obtido na comercialização de janeiro a novembro de 2010. A soja em grão, com uma receita de US$ 315,7 milhões, apresentou crescimento de 21,0%, enquanto o farejo, ao registrar movimento de US$ 173,8 milhões, evoluiu 147,8%. Já o óleo alcançou US$ 96,8 milhões, que equivalem a um crescimento de 33,9%.

As exportações de frango mantiveram bom desempenho no acumulado de janeiro a novembro de 2011: receita de US$ 299,1 milhões, cifra 32,5% superior à registrada em idêntico período do ano passado. Além disso, o secretário assinala os resultados do grupo de couros e peleterias, que alcançou crescimento de 184,3% ao registrar vendas de US$ 99,8 milhões.

A maioria dos produtos que apresentam expansão de receita também foi beneficiada, nos onze primeiros meses deste ano, por aumentos dos preços médios no mercado internacional.

FONTE

Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais
Ivani Cunha – Jornalista

01 dez 2011

Café dispara em NY com queda do dólar e oferta apertada

Os preços do café dispararam na Bolsa de Nova York, ontem, acompanhando o bom humor dos mercados financeiros e dados que mostraram que a oferta do grão está mais apertada no mundo

Os preços do café dispararam na Bolsa de Nova York, ontem, acompanhando o bom humor dos mercados financeiros e dados que mostraram que a oferta do grão está mais apertada no mundo. O contrato março subiu 4,11%, para 236,90 centavos de dólar por libra-peso. Uma ação coordenada pelos bancos centrais de EUA, Canadá, Inglaterra, Japão, Zona do Euro e Suíça para ampliar a liquidez do sistema financeiro global derrubou o dólar e beneficiou as commodities.

Depois, a Organização Internacional do Café (OIC) informou que as exportações mundiais caíram 8,7% em outubro – primeiro mês da safra 2011/12 – para 7,1 milhões de sacas de 60 quilos, na comparação com o mesmo período do ano passado. Para analistas, a queda nas vendas sinalizou uma oferta mais apertada do grão no curto prazo. Há pouco grão de qualidade disponível por causa das fortes chuvas na América Central e na Colômbia, disse Jack Scoville, presidente do Price Futures Group, para a agência Dow Jones. As chuvas também prejudicaram o transporte de café das fazendas até os portos naquelas regiões. “Não há razão para o preço cair”, disse ele, que acredita que a baixa oferta de grão continuará a manter as cotações firmes em Nova York.

Na Bolsa de Chicago, as cotações da soja e do milho fecharam longe dos maiores níveis alcançados no dia por causa de realizações de lucro ao longo do pregão. O contrato janeiro da oleaginosa subiu 0,56%, a US$ 11,3125 por bushel, enquanto o março do grão avançou 0,41%, a US$ 6,08 por bushel.

Fonte: www.canaldoprodutor.com.br