MLC é uma das novidades que permite amplitude de projetos arquitetônicos

Foto projeto Calil Neto

O aço e o concreto tomaram conta da construção civil pelo mundo durante muitos anos. Porém, um movimento de valorização da madeira vem crescendo em diversos países e as tecnologias que surgem através dessa apreciação podem mudar o rumo das novas construções, facilitar projetos diversificados e ainda preservar o meio ambiente.

A madeira é um material com inúmeras vantagens de uso, ela permite precisão de corte, tem uma performance estrutural melhor, é versátil, diminui o tempo de construção, é sustentável, 100% renovável e ainda gera uma economia em torno de 5% no custo total da obra. Com tantas vantagens e novas tecnologias disponíveis, o interesse de engenheiros e arquitetos por essa matéria-prima vem aumentando significativamente.

Softwares 3D, fabricação em CNC, grandes tecnologias de conexão, melhor performance e a madeira engenheirada são exemplos do que há de novo no mercado de fomento a essa matéria-prima.

Uma das novidades que faz crescer a utilização de madeira nas construções é a tecnologia inovadora que promete revolucionar o mercado de arquitetura e construção: a madeira laminada colada (MLC). Com ela é possível fazer estruturas nunca imaginadas anteriormente.

A MLC é o resultado de um processo pelo qual as lâminas são coladas e dispostas de maneira que as fibras fiquem paralelas entre si. Essa composição proporciona a fabricação de peças de grandes dimensões, concedendo maior liberdade de criação para projetos arquitetônicos.

Além de elevada resistência contra envergamentos e torções, superior a de estruturas tradicionais da matéria-prima, a madeira laminada colada é produzida com lâminas selecionadas e submetidas a um rigoroso processo de limpeza e correções de superfície.
Com a MLC tudo torna-se mais acessível, em qualquer forma e tamanho, ela possibilita diversas aplicações, com excelentes resultados: vigas, pilares, decks, painéis, revestimentos, ou qualquer outra necessidade do projeto.

Produção Nacional

No Brasil, a Rewood é uma das empresas que vem produzindo esse material. O engenheiro civil, mestre em engenharia de materiais, Carlito Calil Neto, falou sobre os projetos entregues recentemente pela empresa durante o 4º Simpósio Madeira e Construção, promovido pela Associação Paranaense de Empresas de Base Florestal (Apre), a Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e Carpinteria. Ele citou obras brasileiras feitas com MLC como o pergolado do Bondinho do Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, uma casa de mais de 400m2 na Serra da Bocaina em São Paulo, entre outros.

“A média de tempo de produção da estrutura é em torno de 45 dias, dependendo do projeto e a montagem pode ser feita entre 20 e 70 dias. Uma redução significativa de tempo”, ressaltou Neto.

Além de permitir estabilidade dimensional, ser um material resistente e requerer um menor número de ligações, a MLC também é altamente sustentável, já que a madeira utilizada é proveniente de florestas plantadas e ainda retira grandes quantidades de CO2 da atmosfera.

“Porque a madeira é um recurso natural verdadeiramente renovável, procuramos sempre estimular práticas florestais sustentáveis, que respeitem a essência renovável desta matéria-prima”, afirmou o engenheiro.

Madeira de origem legal

Com o aumento do uso da madeira, foi criado em 2009 o programa Madeira é Legal, uma iniciativa de empresas e entidades do setor madeireiro, da construção civil e da sociedade civil, com o apoio da organização não-governamental WWF-Brasil.

A madeira legal é aquela que cumpre todos os requisitos previstos na lei quanto à documentação (emitida pelos órgãos ambientais federal ou estaduais).

Já a madeira certificada é aquela que não só tem a documentação de acordo com a lei, mas também passou por um processo de certificação como o FSC.Para que isso aconteça, o processo de certificação deve assegurar a manutenção da floresta, por meio do manejo florestal, previsto em Lei, bem como o cumprimento da legislação trabalhista e a viabilidade econômica da atividade em longo prazo. Na exploração racional das florestas há menos desperdício e é possível lucrar com a floresta por mais tempo.

Durante sua apresentação no 4º Simpósio Madeira e Construção, o arquiteto Roberto Lecomte, falou das iniciativas do Programa Madeira é Legal na divulgação e incentivo das construções em madeira e apresentou diversas obras, principalmente em Brasília, que foram feitas valorizando a madeira como principal material.

Ele destacou ainda que, mesmo nas obras de concreto da capital, foi necessária uma enorme quantidade de madeira para os moldes, o que gerou boa parte do desmatamento do Paraná, retirando grandes quantidades de madeira nativa, que seriam descartadas posteriormente.

“Se utilizada da maneira adequada nos sistemas construtivos, a madeira pode ajudar na gestão e conservação das florestas; auxiliar na manutenção da biodiversidade e ser uma ferramenta no combate aos prejuízos causados pelas mudanças climáticas, visto que a madeira estoca carbono que seria lançado na atmosfera. Nosso objetivo é incentivar o uso responsável e social dessa matéria-prima tão sustentável”, declarou Lecomte.

Por Carolina Gomes para o Portal Madeira e Construção